segunda-feira, junho 27

Reorganizando as coisas.

" O acaso acontece a nossa semelhança "

É, uma frase super pequena e que me fez parar pra pensar no quanto é verdadeira... Me fez pensar que se eu não mudar a base, os resultados vão ser sempre os mesmos, mais ou menos aquela coisa de que você pode escolher o que plantar, mas com certeza irá ter de colher o que plantou... E eu, o que eu estou plantando?

Quem não me conhece muito bem ainda não sabe disso, mas basta uma idéia persistente pra que eu perca o sono e passa a noite em claro, pensando, pensando... essa foi uma noite assim.. Com as coisas dando voltas dentro da cabeça, sem conseguir  "desligar" .

Não posso dizer que vou fazer tudo que acho que é certo pra hoje... mas pelo menos, acho que já consigo enxergar o caminho pra onde devo andar. Sem medo de me tornar uma clichê woman rsrs, mais uma frase pra iniciar o dia pensando...

  "E daqui a 50 anos o que você vai contar? Que não teve coragem ou que viveu? Eu escolhi viver, pode dar errado, mas só vou saber tentando!"

Renato Russo

Eu tenho coragem... e vc?

4 comentários:

Mel Mudanca disse...

Amiga é isso ai...
eu penso assim tb...prefiro errar e voltar..do que nem tentar...
sou de errar pedir desculpas , nem pensar em não tentar...eu acho que a vida é para se arriscar sim...nao sabemos se vamos estar vivas amanha...preciso viver o hoje...
é aquilo do poema da fernanda young..nao gosto de agua morna...ou é bem quente..ou bem frio...
Beijaoo amiga..
espero que as duvidas , terminem hj..e vc coloque a AÇÃO para funcionar..e se precisar, da um gritto ok..
adoorooo muito vc.

Marcela disse...

oie, as vezes fico assim, passo a noite em claro, separo os itens e vou tentando resolver o que consigo...

Deize disse...

Isso mesmo Amiga.Coragem e siga em frente.
Agora fala serio ri muito com a historia da sua mãe.Foi muito boa.
Bjus e ótima semana.

rakeu disse...

Te deixo como resposta o meu post de hoje:
Morre lentamente quem se transforma em escravo do hábito, repetindo todos os dias o mesmo trajecto, quem não muda as marcas no supermercado, não arrisca vestir uma cor nova, não conversa com quem não conhece. Morre lentamente quem evita uma paixão, quem prefere o "preto no branco" e os "pontos nos is" a um turbilhão de emoções indomáveis, justamente as que resgatam o brilho dos olhos, sorrisos e soluços, coração aos tropeços, sentimentos. Morre lentamente quem não vira a mesa quando está infeliz no trabalho, quem não arrisca o certo pelo incerto atrás de um sonho, quem não se permite, uma vez na vida, fugir dos conselhos sensatos. Morre lentamente quem passa os dias queixando-se da má sorte ou da chuva incessante, desistindo de um projecto antes de iniciá-lo, não perguntando sobre um assunto que desconhece e não respondendo quando lhe indagam o que sabe. Evitemos a morte em doses suaves, recordando sempre que estar vivo exige um esforço muito maior do que o simples acto de respirar." Neruda